APP-Sindicato decide que educadores não retomam aulas presenciais em 2020

Compartilhe:

Professores e funcionários da rede estadual de ensino do Paraná decidiram não retornar às aulas presenciais neste ano. A decisão foi aprovada em assembleia estadual on-line, ocorrida neste sábado, 12, para a qual mais de 2,7 mil servidores(as) fizeram cadastramento.

A categoria deliberou que iniciará greve em defesa da vida, caso o governo estadual institua volta às aulas nas escolas durante a pandemia de covid-19. Também foi aprovado um calendário de mobilização em defesa de direitos e de condições de trabalho.

Na avaliação dos educadores, enquanto a pandemia permanecer fora de controle, voltar às aulas seria uma irresponsabilidade com a vida dos profissionais da educação, estudantes e seus familiares. O desafio coletivo da sociedade, neste momento, deve ser o da preservação da vida.

“Voltar às aulas presenciais significa aglomerar pessoas em espaços que não estão adaptados para esse período de emergência em saúde pelo qual estamos passando”, pontua o presidente da APP-Sindicato/Foz, Diego Valdez. “Não podemos expor diretamente 2,5 milhões de alunos(as) e educadores(as), das redes pública e privada do ensino básico e superior, ao novo coronavírus”, reflete.

Segundo o representante do sindicato, que abrange nove cidades da região, a categoria irá mobilizar-se por melhores condições de trabalho e contra ataques a direitos de servidores públicos. “Trabalhadores que precisarem ir às escolas não contam com protocolos e equipamentos adequados para sua proteção”, frisa.

“Não podemos expor 2,5 milhões de educadores(as) e alunos(as) ao coronavírus”, afirma Diego Valdez.
“Sem garantir a saúde dos educadores(as), o governador Ratino Junior retira nossos direitos, extinguindo cargos, demitindo professores(as) temporários em plena pandemia, sonegando reposição referente a períodos passados e arrebatando conquistas da carreira”, enumera Diego.

Pandemia

Com 2.200 novos diagnósticos confirmados neste sábado pela Secretaria de Estado da Saúde, o Paraná ultrapassou os 150 mil casos positivos de covid-19. Desde março, também foram registradas 3.761 mortes no estado. Em Foz do Iguaçu, são mais de seis mil ocorrências da doença e 77 óbitos.

Outras pautas

Na assembleia on-line, a primeira da história da entidade sindical, também foi aprovado o calendário de mobilização dos(as) educadores(as) da rede estadual do Paraná, prevendo:

– intensificar a campanha “Fora Feder”, considerado sem condições de ocupar o cargo de secretário de Educação, em redes sociais e ações virtuais;

– promover ação virtual em defesa dos trabalhadores(as) temporários(as), contratados(as) por Processo de Seleção Simplifica (PSS);

– criar abaixo-assinado on-line em defesa dos atuais critérios para seleção dos PSSs: prova apenas para concurso público;

– realizar ato público em frente à Secretaria de Estado da Educação caso o dirigente do órgão altere o modelo de seleção de PSSs, impondo prova, banca ou outros mecanismos excludentes;

– mobilizar a categoria contra as emendas à Lei de Diretrizes Orçamentárias de congelamento das carreiras;

– realizar ação por mudanças no atendimento da perícia médica do estado;

– integrar a Semana Nacional de Mobilização, a “Semana Freireana”, de 14 a 19 de setembro;

– em 23 de setembro, aderir ao Dia de Mobilização Estadual do Basta (contra a sobrecarga e por melhores condições de trabalho); e

– promover o Dia de Mobilização Nacional contra a PEC 32 (reforma administrativa), em 30 de setembro.

Assessoria APP-Sindicato