Em Curitiba, mortes por Covid-19 caem entre idosos e avançam em outras idades

Compartilhe:

Com quase toda a população idosa imunizada ao menos parcialmente contra a Covid-19, Curitiba já começa a ver os resultados da vacinação contra o novo coronavírus. Depois de registrar em abril uma redução nos óbitos causados pela doença entre a população com 80 anos ou mais, em maio o município teve expressiva queda na proporção de mortes entre as pessoas com 70 a 79 anos.

Segundo os dados da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), no último mês 583 moradores da Capital foram vitimados pela Covid-19. Do total de óbitos, 26,59% eram pessoas com 70 anos ou mais de idade, porcentual que pode parecer elevado, mas apresenta uma importante redução em relação ao ano de 2020, por exemplo, quando 2.356 pessoas foram vitimadas pela doença pandêmica em Curitiba, das quais 54,29% tinham 70 anos ou mais.

Entre a população mais velha, que tem 80 anos ou mais, a redução na proporção de óbitos já vinha sendo verificada desde março, tendo sido notada mais expressivamente em abril, quando apenas 11,04% das vítimas da Covid estava nessa faixa etária (porcentual que registrou ligeiro aumento em maio, chegando a 12,52%, embora o número absoluto de mortes tenha caído).

Já entre as pessoas com 70 a 79 anos de idade, em abril Curitiba havia registrado 194 óbitos, o equivalente a 23,29% dos registros naquele mês. Em maio já foram 82 mortes, o equivalente a 14,07% do total.

Médica infectologista e integrante do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Marion Burger aponta que a redução na proporção de óbitos entre a população com 70 anos ou mais já é um reflexo da vacinação contra o novo coronavírus. Na capital, 301.380 idosos haviam tomado ao menos a primeira dose do imunizante até 1º de junho, o equivalente a 96,1% da população idosa estimada (313.576 pessoas). Desse total de vacinados, 156.762 (52% dos idosos imunizados) já haviam tomado as duas doses da vacina.

“Esse efeito direto [da vacinação] [e visto com mais pureza na população acima de 80 anos, mas já visualizamos também na população entre 70 e 79 anos de idade. Entre as pessoas acima de 80 anos, o número de óbitos no período pré-vacina foi o dobro do número de óbitos a partir de 1º de fevereiro de 2021”, aponta a especialista, que destaca ainda que essa é uma relação numérica, apenas, carecendo ainda de uma contextualização e análise individual, caso a caso, uma vez que não dá para saber, por exemplo, se todas as pessoas que faleceram realmente receberam a vacina e quando receberam.

“Esse é o segundo recado dessa análise: as vacinas, apesar de terem um efeito bastante promissor no controle da Covid, não vai ser um controle de 100%. Mesmo pessoas vacinadas com duas doses, independente de qual vacina tomem, podem voltar a ser infectadas e, se infectadas, podem vir a ter complicações, seja por doenças de base que a pessoa já tem ou mesmo aa própria Covid”, complementa.

População mais jovem está adoecendo mais

Se a boa notícia é que a população mais idosa, ao que tudo indica, está também mais protegida neste momento contra a Covid-19, a má notícia, por outro lado, é que a proporção de óbitos entre jovens vem aumentando consideravelmente. Isso é tanto um efeito da própria vacinação, que já está mais avançada e protegendo mais os idosos, mas também possivelmente um reflexo do surgimento de novas variantes da Covid-19 e do próprio comportamento dessas pessoas.

Comparando os dados sobre óbitos pelo coronavírus em 2020 e 2021, por exemplo, verificamos que houve uma redução, como já citado, nas faixas entre 70 a 79 anos e 80 anos ou mais. Por outro lado, praticamente todas as outras faixas etárias registraram aumento tanto no total de mortes como na proporção de óbitos.

“Temos duas questões relacionadas a isso, da população mais jovem estar adoecendo mais, internando mais e morrendo mais em 2021. Por um lado, é porque essas pessoas não puderam ser vacinadas, não recebemos contingente de vacinas suficiente para isso”, afirma Marion Burger. “Em segundo lugar, temos a entrada de novas variantes e essa população, principalmente a de 20 a 59 anos, são pessoas que não estão em casa, mas trabalhando. Se temos uma variante com maior transmissão, que se propaga mais, vai contaminar mais pessoas e, mesmo que menos de 10% dos adultos abaixo de 49 anos apresentem complicações, quanto maior o número de infectados, maior o número de pessoas jovens que vão precisar de atendimento ”, finaliza.

Curitiba registra maior número de novos casos desde o fim de maio

A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba registrou, ontem, 919 novos casos de Covid-19 e 25 óbitos de moradores da cidade infectados pelo novo coronavírus. Os números são os maiores desde maio. A última vez que o número de casos novos ficou acima dos 900 foi no dia 28 de maio, quando o boletim do dia trouxe 1.036 casos novos.

As mortes vêm em números semelhantes nos últimos dias. Foram 20 na terça-feira, 27 na segunda, 25 no domingo e 24 no sábado.

Paraná — A Secretaria de Estado da Saúde divulgou ontem mais 5.123 casos confirmados e 211 mortes pela Covid-19 no Paraná. No total o Estado soma 1.126.308 casos e 27.386 óbitos na pandemia.

Brasil — O Brasil registrou ontem 2.723 mortes por Covid-19, de acordo com dados do boletim mdo Ministério da Saúde. Com isso, 479.515 vidas foram perdidas na pandemia. Houve ainda 85.748 novos casos, com um total de 17.122.877 registros.

Evolução das mortes por Covid-19 no Paraná, segundo a faixa etária da vítima

MAI/21
Faixa etária Registros %
80 anos ou mais 73 12,52%
70 a 79 anos 82 14,07%
60 a 69 anos 163 27,96%
50 a 59 anos 139 23,84%
40 a 49 anos 83 14,24%
30 a 39 anos 32 5,49%
20 a 29 anos 10 1,72%
10 a 19 anos 1 0,17%
0 a 9 anos 0 0,00%
TOTAL 583 100,00%
ABR/21
80 anos ou mais 92 11,04%
70 a 79 anos 194 23,29%
60 a 69 anos 267 32,05%
50 a 59 anos 169 20,29%
40 a 49 anos 68 8,16%
30 a 39 anos 33 3,96%
20 a 29 anos 9 1,08%
10 a 19 anos 1 0,12%
0 a 9 anos 0 0,00%
TOTAL 833 100,00%
MAR/21
80 anos ou mais 175 17,78%
70 a 79 anos 261 26,52%
60 a 69 anos 243 24,70%
50 a 59 anos 147 14,94%
40 a 49 anos 105 10,67%
30 a 39 anos 43 4,37%
20 a 29 anos 9 0,91%
10 a 19 anos 1 0,10%
0 a 9 anos 0 0,00%
TOTAL 984 100,00%
FEV/21
80 anos ou mais 70 22,22%
70 a 79 anos 95 30,16%
60 a 69 anos 80 25,40%
50 a 59 anos 38 12,06%
40 a 49 anos 21 6,67%
30 a 39 anos 7 2,22%
20 a 29 anos 3 0,95%
10 a 19 anos 1 0,32%
0 a 9 anos 0 0,00%
TOTAL 315 100,00%
JAN/21
80 anos ou mais 78 22,54%
70 a 79 anos 99 28,61%
60 a 69 anos 87 25,14%
50 a 59 anos 45 13,01%
40 a 49 anos 23 6,65%
30 a 39 anos 9 2,60%
20 a 29 anos 2 0,58%
10 a 19 anos 2 0,58%
0 a 9 anos 1 0,29%
TOTAL 346 100,00%
2020
80 anos ou mais 671 28,48%
70 a 79 anos 608 25,81%
60 a 69 anos 557 23,64%
50 a 59 anos 315 13,37%
40 a 49 anos 136 5,77%
30 a 39 anos 48 2,04%
20 a 29 anos 18 0,76%
10 a 19 anos 2 0,08%
0 a 9 anos 1 0,04%
TOTAL 2356 100,00%

Resumo comparativo de mortes por Covid-19 em Curitiba, segundo a faixa etária, em 2020 e 2021

Faixa 2021 2020
etária Reg. % Reg. %
80 anos ou + 488 15,94% 671 28,48%
70 a 79 anos 731 23,88% 608 25,81%
60 a 69 anos 840 27,44% 557 23,64%
50 a 59 anos 538 17,58% 315 13,37%
40 a 49 anos 300 9,80% 136 5,77%
30 a 39 anos 124 4,05% 48 2,04%
20 a 29 anos 33 1,08% 18 0,76%
10 a 19 anos 6 0,20% 2 0,08%
0 a 9 anos 1 0,03% 1 0,04%
TOTAL 3061 100,00% 2356 100,00%

Fonte: Painel COVID-19 Curitiba, da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Disponível em: coronavirus.curitiba.pr.gov.br/painelcovid/